Combos

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Iluminação: lindos projetos com os diferentes tipos de lâmpadas

Confira como cada lâmpada funciona nos diferentes tipos de ambientes e escolha o tipo ideal para sua decoração.Por Helena Dias, do site MdeMulher.


Essa matéria que vale a pena compartilhar. Observem a diversidade de ambientes e estilos, todos muito bem projetados e com iluminação objetiva e eficaz, que atende as necessidades e propostas de cada cenário. Servem de modelo para todos nós. Segue abaixo um resumo com fotos.

Clareie e amplie a cozinha


Na cozinha, use lâmpadas frias (fuorescentes que não têm calor nem criam sombra), que aumentam o espaço. Gesso no teto com lâmpadas embutidas é chique. Uma outra opção é usar duas luminárias em caixa de acrílico, que escondem as lâmpadas. Instale em linhas paralelas no centro da cozinha.

Suavidade pro casal


No quarto use uma iluminação indireta! É simples: deixe lâmpadas de intensidade baixa escondidinhas em cantos estratégicos: num vão entre dois móveis, em cima de um espelho ou num desnível de gesso, como na foto. Em cada lado da cama, coloque abajures com interruptores separados. Isso dá independência ao casal. Você pode ler enquanto o gato dorme!

Focos de atenção na sala de jantar


Um lustre baixo e com luz quente (amarela) deixa sua mesa no centro das atenções. Repare, é assim que os restaurantes finos fazem. "Capriche na escolha dessa peça! É a primeira coisa que as pessoas olham numa sala", diz o arquiteto Thiago Manarelli. O truque para harmonizar a decoração é usar um lustre que siga o formato da mesa. E sabe a velha dica de aumentar o ambiente com um espelho numa parede? Ponha um aparador na frente dele e direcione um foco de luz por cima. A sala "cresce"!

Luz objetiva no escritório 


O segredo deste ambiente é colocar uma luminária de mesa focada perto do computador. Use lâmpadas frias. As de LED são mais caras, mas gastam menos energia e duram mais. É legal ter uma luz centralizada no teto e outros focos de luz perto de prateleiras, livros e poltronas.

Lâmpadas fluorescentes no closet


No centro do closet, foi colocada uma sanca com lâmpada fluorescente para fornecer a claridade necessária para a escolha das roupas e visualização das peças. As arquitetas Daniele Cardoso e Marilia Neves também usaram luminárias LED embutidas em um recorte no gesso da bancada para criar um efeito pontual  com os espelhos.

Fluorescente tubular


Neste escritório de uma profissional de estética, as lâmpadas escolhidas foram as fluorescentes por proporcionarem uma luz mais uniforme. Elas estão presentes nas sancas e também na luminária pendente, que direciona a iluminação para a área de trabalho. A cor da luz é mais amarelada para proporcionar maior aconchego ao ambiente projetado por Paula Neder

Dicróicas para o espaço pequeno


Como espaço da sala era reduzido, foi necessário agrupar diversas funções em um mesmo ambiente. A arquiteta Ana Maria Mowad procurou delimitar essas áreas sem nada que atravancasse o espaço e para isso lançou mão da iluminação com lâmpadas halógenas dicróicas, que pontuam e delimitam os pontos de estar, jantar e home theather. 

Diferentes tipos de halógenas


A arquiteta Kelly Trindade combinou diferentes tipos de halógenas neste ambiente para compor o jogo de luz. Sobre a estante, estão lâmpadas PAR30, de luz fraca. Já no teto estão três lâmpada AR111, que tem uma luz mais forte. Por fim, na luminária de chão foi usada uma PAR20, também de luz fraca, para criar um efeito no tecido da cortina. 

Céu estrelado com LED


Este dormitório de bebê foi iluminado unicamente com a tecnologia LED. Pontos da luz em diferentes tamanhos foram intercalados para criar o efeito de céu estrelado. Nos nichos do painel com ursinhos, a arquiteta Daniele Cardoso usou embutidos para dicróica com lâmpadas LED, as mesmas utilizadas sobre a bancada do trocador. Mas sancas, fitas também de LED, finalizam o projeto de iluminação.

Emoldurando o espelho


Para sair do convencional neste lavabo, Carla Marques (tel. (81) 3231-6730) optou por não colocar pontos de iluminação no teto. Algumas lâmpadas dicróicas estão no chão e criam efeito nas paredes. Atrás do espelho foi usada uma fita de LED laranja, que dá a percepção de emolduramento do espelho. O conjunto resulta em uma iluminação agradável para os olhos. 

LEDs para cozinhar


Hoje a cozinha é um ponto de encontro das casas e foi pensando nisso que o arquiteto Gustavo Pinto optou por usar LEDs em toda a iluminação do ambiente. Além do baixo consumo de energia, a tecnologia permite uma visualização completa dos alimentos. Na ilha central, o painel tem água em movimento iluminada por LEDs vermelhos, despertando os sentidos de quem está no ambiente. 

Funcionalidade e estilo


A mistura dos diferentes tipos de lâmpadas nesta cozinha foi a opção da arquiteta Vanessa Niczay para mesclar estilo com funcionalidade. As halógenas sobre a bancada e fluorescentes no centro da cozinha criam uma iluminação de serviço. Já as fitas de LED ao redor da mesa e do painel dão um toque de modernidade ao ambiente, bem como as fluorescentes tipo vela no lustre colorido. 

Cada lâmpada, uma função


Neste quarto projetado pela arquiteta Roberta Bonet (tel. (41) 3045-2141), o mix de lâmpadas serve para criar um clima aconchegante e funcional ao mesmo tempo. Na parte superior da cama, uma mangueira de LED proporciona uma luz mais cênica, para momentos íntimos. O plafon com incandescente e as dicróicas em spots criam uma iluminação geral para a moradora se arrumar. Por fim, a luminária com LED é uma luz direcional para os momentos de leitura. 


Esses foram os ambiente que mais gostei. Na matéria original tem muito mais e vale a pena conferir.
Acesse o site MdeMulher e veja todos os ambientes dessa matéria excepcional de Helena Dias.


sábado, 8 de fevereiro de 2014

Cálculo Luminotécnico Online

Untitled
Cálculo luminotécnico online e gratuito para iluminação residencial e comercial. Aqui você poderá determinar a iluminação ideal para o seu ambiente, seja ele de lazer ou trabalho.

É muito fácil! Basta preencher os campos, seguindo as instruções abaixo.


Passo 1: Seu ambiente
Informe as características de seu ambiente. Preencha todos os campos em azul com as informações solicitadas.

Ambiente
Selecione aqui se o cálculo é para uma sala, cozinha, dormitório, banheiro, loja, etc.
Área
Área do ambiente, em metros quadrados
Teto
Selecione a cor do teto
Paredes
Selecione a cor das paredes
Intensidade
Selecione a intensidade. A opção mais comum é a média, mas você pode atenuar ou reforçar conforme sua preferência. Se você tem mais que 50 anos, considere a possibilidade de reforçar

Resultado 1: Necessidade Luminosa: 0 Lúmens
Esse é o resultado do cálculo da demanda ou necessidade, em lúmens, para o seu ambiente.


Passo 2: Fontes de Luz
Informe os tipos de lâmpada que você pretende utilizar. Preencha cada linha com o tipo, a quantidade de lâmpadas e a potência individual de cada lâmpada.

Caso não necessite das cinco linhas, deixe os campos Potência e Qtde com o valor 0. As cinco fontes de luz sugeridas podem ser alteradas. Clique na seta e selecione outras fontes. Preencha todos os campos em azul com as informações solicitadas.

Fonte 1:
Qtd
Potência (Watts)
Fonte 2:
Qtd
Potência (Watts)
Fonte 3:
Qtd
Potência (Watts)
Fonte 4:
Qtd
Potência (Watts)
Fonte 5:
Qtd
Potência (Watts)

Resultado 2: Oferta Estimada: 0 Lúmens

Esse é o resultado do cálculo da oferta de luz, em lúmens. O valor resultante deve ser maior ou igual ao encontrado na necessidade, durante o primeiro cálculo. Para valores inferiores, reforce a oferta de luz adicionando mais lâmpadas. Caso o valor seja muito superior, você poderá reduzir a oferta de luz, diminuindo a quantidade de lâmpadas.

O ideal é um valor de oferta igual ou superior em até 25% ao valor da demanda.


Demanda 0 Lúmens X Oferta 0 Lúmens

Resultado Final:

Os cálculos são válidos para um pé direito de 2,4 a 2,8 metros. Essa forma de cálculo tem com base as tabelas da ABNT para luminotécnica, e foi desenvolvida por mim para as necessidades de consumidores brasileiros, em conformidade com os produtos do mercado local.

Consulte sempre um profissional especializado para fechar o seu projeto.


Enviem-me suas dúvidas e comentários e assim ajudem a melhorar esse artigo.
Cálculo Luminotécnico versão 4.0 - 03/10/2015

Copyright Cidade Led - Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização



segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Explicações sobre Lâmpadas PAR

Vou abordar o assunto de maneira prática e objetiva, de forma a garantir que qualquer pessoa possa identificar e escolher uma lâmpada PAR, seja para uso residencial ou comercial.


Lâmpadas PAR

Lâmpada PAR (do inglês, Parabolic Aluminized Reflector) Refletor Parabólico de Alumínio
A lâmpada com refletor parabólico de alumínio (PAR) é um tipo de lâmpada amplamente utilizada em iluminação comercial, residencial e em transportes. Seu uso inclui faróis para locomotivas, pistas de pouso, residencial e spots comerciais, formando conjuntos similares aos utilizados nos faróis automotivos.
É formada tipicamente por uma parábola de alumínio que concentra e reflete a luz de uma lâmpada halógena instalada na região central.


Lâmpadas PAR halógenas podem ser substituídas por lâmpadas PAR LED em algumas situações, especialmente as que requerem baixo consumo de energia, durabilidade e ampla faixa de temperatura de cores, inatingíveis nas PAR halógenas.
Leia a matéria completa aqui.


O que significa IP20, IP65 e IP67?

Uma dúvida comum, principalmente no caso de equipamentos elétricos é: será que eu posso molhar essa coisa? Para poder responder a essa pergunta foi instituído a classificação IP. Além disso, o código permite determinar padrões internacionais de proteção e de testes, de forma que os fabricantes possam se adequar e os consumidores possam escolher corretamente o tipo de proteção que desejam.
Código de Proteção IP
O código IP (do inglês Ingress Protection Rate) - ou Proteção Contra Infiltração – também interpretado como Taxa de Proteção Internacional, classifica os níveis de proteção contra intrusões de objetos sólidos (inclusive mãos, dedos e partes do corpo humano), poeira, contato acidental, e também infiltrações de materiais líquidos.
Leia mais clicando aqui...